Papa encerra retiro espiritual com profundo agradecimento a Deus - Bem Vindo !

Papa encerra retiro espiritual com profundo agradecimento a Deus

Da Redação, com Rádio Vaticano

Após retiro espiritual, o Papa Bento XVI retorna com suas agenda habitual a partir do dia 4 de março
O Papa Bento XVI participou na manhã deste sábado, 3, da última meditação dos exercícios espirituais da Quaresma, que se realizaram ao longo de toda a semana. Ao final deste retiro quaresmal, o Papa dirigiu algumas palavras de agradecimento ao Cardeal congolês Laurent Monsengwo Pasinya, que este ano foi o autor das meditações, que tiveram como tema a comunhão com Deus.

Confira em breve a íntegra da mensagem do Papa ao Cardeal Laurent Monsengwo Pasinya

"Obrigado, Eminência, em nome de todos, pela guia que nos doou nesses Exercícios Espirituais. O senhor nos guiou, como dizer, no grande jardim da Primeira Carta de S. João e assim em toda a Escritura, com grande competência exegética e com experiência espiritual e pastoral. Guiou sempre com o olhar dirigido a Deus, e justamente com este olhar a Deus, aprendemos o amor, a fé que cria comunhão. E o senhor temperou essas suas meditações com belas histórias, principalmente de sua querida terra africana, que nos deram alegria e nos ajudaram".

Bento XVI disse que ficou particularmente impressionado com a história que o Cardeal contou de um amigo seu, que, em coma, tinha a impressão de estar num túnel escuro, mas no final via um pouco de luz e, sobretudo, ouvia uma bela música.

"Parece-me que esta possa ser uma parábola da nossa vida: muitas vezes nos encontramos num túnel escuro em plena noite, mas pela fé, no final, vemos luz e ouvimos um bela música, percebemos a beleza de Deus, do céu e da terra, de Deus criador e da criatura, e assim nossa salvação é objeto de esperança (cfr Rm 8,24)”.

Além das palavras pronunciadas de maneira improvisada, Bento XVI entregou uma carta de agradecimento ao Arcebispo de Kinshasa. Em um dos trechos da mensagem, o Papa destacou que as reflexões permitiram um profundo reconhecimento por Deus.

"Comentando alguns trechos da Primeira Carta de S. João, o senhor nos guiou num itinerário de redescobrimento do mistério de comunhão em que fomos inseridos a partir do nosso Batismo. Graças a este percurso, o silêncio e a oração desses dias, de modo especial a adoração eucarística, foram repletos de profundo reconhecimento por Deus, pelo “grande amor” (1 Jo 3,1) que nos deu e com o qual nos uniu a Si numa relação filial, que constitui a nossa mais profunda realidade".
A partir deste domingo, 4, com o a oração mariana do Angelus, o Papa retoma sua habitual agenda de encontros e audiências. (BF)

Nenhum comentário:

Postar um comentário