Tríduo de Santa Terezinha - Bem Vindo !

Tríduo de Santa Terezinha

Um olhar a um jardim, traz de volta à recordação da infância de Santa Teresinha. No convívio de um lar verdadeiramente cristão, como o da família Martin, a caridade ensinada pelos Evangelhos exala um suave e inigualável perfume.
Com efeito, do casamento de Luís Martin e Zélia Guérin em 13 de julho de 1858, floresceram nove lírios de alva inocência. Quatro deles, o Senhor os colheu na tenra infância, os outros cinco haveriam de ser transplantados ao silencioso e recolhidos ambiente religiosos, para ali destilar os mais intensos perfumes de virtude. Entre esses, a jovem santa, consagrada a Deus aos 15 anos, como carmelita descalça. A Jovem Teresa Martin.O Sr. Luís Martin, chamava de sua“rainhazinha”, a encantadora Teresa, a quem amava com especial ternura por ser a mais nova, órfã de mãe já nos primeiros anos de infância. Na verdade, Teresinha aprendeu a amar a Igreja sentada no colo de seu “rei”. Como assim chamava o seu amado Pai.
Santa Teresinha, desde aos quatro anos de idade, um dos seus maiores anseios era, poder comungar Jesus na Hóstia Santa. Quando aos Domingos não podia ir a Missa, ela ficara a esperar na janela de sua casa, sua irmã Paulina voltar da Missa, com a esperança de sua irmã trazer uma hóstia sem ser consagrada para ela. A pequenina não via a hora de completar a idade certa, para assim poder comungar Cristo Vivo e Ressuscitado presente na Santa Eucaristia. Desde então, Deus Já regava essa pequenina florno seu Jardim, o céu.