Dom Mariano Manzana recebe a imprensa para falar sobre a Campanha da Fraternidade 2013 no Colégio Diocesano

A Igreja Católica inicia um dos períodos mais importantes dentro do seu calendário anual com a chegada da Quaresma. É também nesta época que o clero aproveita para divulgar a Campanha da Fraternidade, que, a cada novo ano, centra as atenções em uma temática que norteia as discussões e ações da Igreja junto à sociedade. A Campanha da Fraternidade deste ano foi lançada nacionalmente na última quinta-feira, 14, com um motivo especial para os potiguares, que sediou a missa inicial dos trabalhos, em Natal, na Catedral Metropolitana. A capital do Estado foi escolhida em comemoração aos 50 anos da primeira Campanha da Fraternidade, lançada no município de Nísia Floresta, em 1962. Em Mossoró, o lançamento oficial foi ontem, às 9h, na Catedral de Santa Luzia e o padre Flávio Augusto, vigário-geral da Diocese de Santa Luzia, conversou com a Revista Domingo ( Jornal de Fato) sobre a atual Campanha, cujo tema é a juventude. “A juventude tem muito a contribuir devido suas características”, disse padre Flávio, que comentou ainda sobre a Jornada Mundial da Juventude, que neste ano, acontece no Brasil, e ainda sobre a atual conjuntura da Igreja Católica.
DOMINGO – A Campanha da Fraternidade deste ano tem como foco a Juventude. De que forma a Igreja pretende trabalhar o tema justamente com esse público?
PADRE FLÁVIO – Ela pretende usar todos os meios que envolvam a juventude, não é uma Campanha para os jovens, mas com os jovens, daí a utilização das redes sociais para envolvê-los nesse debate. Outra forma vai ser envolver os diversos grupos já existentes em atividades para fortalecer o trabalho que já vem sendo desenvolvido.

NOS ÚLTIMOS anos, a Igreja vem enfrentando dois desafios: a evasão de fiéis para outras religiões e a crise na diminuição de jovens no sacerdócio. A Campanha da Fraternidade seria uma ação estratégica para reverter esse cenário? Caso não, o que estaria, então, sendo feito?
A CAMPANHA da Fraternidade foi pensada em função da Jornada Mundial da Juventude que vai acontecer no Rio de Janeiro de 23 a 27 de julho deste ano.  Toda a Igreja está se mobilizando para esse grande evento, que como aconteceu nos eventos anteriores, tem marcado a vida da Igreja no país onde acontece. Quanto à preocupação com eventuais saídas de fiéis da igreja católica, é preciso ter sempre presente que, no Brasil, aquele que nunca participa de nenhuma religião, quando perguntado sempre se disse católico, mesmo que não saiba nem o nome do padre da paróquia onde reside e outras coisas mais...  O que temos que nos preocupar é em como atingir o homem e a mulher no mundo de hoje, de forma a lhe ajudar a fazer uma boa e profunda experiência com Deus.

...E Quanto ao sacerdócio?
EM RELAÇÃO ao sacerdócio, a Igreja não vive uma crise nos seminários, pelo contrário.  A prova disso é que somente em Mossoró nós temos em 2013 mais de 40 (quarenta) jovens no Seminário Santa Teresinha.  Os seminários de Natal e Caicó também estão cheios. A Diocese no município de Caicó, inclusive, já está enviando padres para outras dioceses, devido já ter número suficiente de padres naquela região.

QUAL o papel do jovem dentro da Igreja?
O PAPEL de qualquer pessoa é se encontrar com Deus. A Igreja é uma comunidade de pessoas que encontram o significado da vida e querem dar razão de sua fé.  A faixa de idade da juventude tem muito a contribuir devido suas características muito próprias: inquietação, sonhos, ardor, esperança etc.

A JORNADA Mundial da Juventude deste ano será sediada no Brasil, como o senhor mencionou anteriormente. Pode-se considerar um momento histórico para a Igreja Católica no Brasil. Como a Diocese de Mossoró tem se preparado para o evento?
A DIOCESE vem se preparando organizando os jovens de todos os cinquenta e seis municípios que compõem a nossa Diocese para que possam estar presentes no Rio de Janeiro, assim como fazendo com que a preparação e o retorno da Jornada resultem em bons frutos para a comunidade na qual o jovem está inserido.

NA VERDADE, qual a importância da Jornada para a Igreja?
A JORNADA vai reacender a chama de uma Igreja que se abre a todas as faixas de idade e juventude tem muito a contribuir para que se possa responder com coragem aos desafios do mundo atual.

TAMBÉM neste ano se comemora os 50 anos da Campanha da Fraternidade. Dentro do processo de evangelização, qual o papel da CF para a Igreja e, além disso, qual tem sido o grande legado das Campanhas ano após anos?
A CAMPANHA da Fraternidade, a cada ano, faz com que esse tempo da Quaresma assuma um gesto concreto, ou seja, a nossa conversão passa sempre pelo tema que a Igreja nos propõe como reflexão.  A CF a cada ano abre sempre essas possibilidades de um gesto de caridade muito concreto a cada ano.  Na maioria das vezes, é a Igreja não olhando somente para seus problemas internos, mas especialmente para os grandes desafios que o Brasil precisa enfrentar.

OS 50 anos da Campanha da Fraternidade também é um momento importante para a Igreja no Rio Grande do Norte, já que a primeira edição foi lançada no município potiguar de Nísia Floresta, em 1962. Haverá uma programação especial na Igreja no RN? Qual a importância desse momento para a história da Igreja no RN?
O PIONEIRISMO da Igreja no Rio Grande do Norte, lançando uma Campanha, que posteriormente se torna nacional, marca a história de nossa Igreja e ao mesmo tempo nos serve de impulso para pensarmos sempre em algo novo no processo de evangelização, não podemos nos contentar fazendo somente aquilo que já está sendo feito, mas procurarmos novas formas de levar a Palavra de Deus a todas as pessoas da melhor forma possível, e tornar a caridade algo sempre mais concreto na vida de cada um de nós. É motivo de orgulho e ao mesmo tempo de muita responsabilidade.
fonte: blog diocese de Mossoró
Share on Google Plus

Sobre o Setor de Comunicação