Mensagem do Papa pela canonização de João XXIII - Bem Vindo !

Mensagem do Papa pela canonização de João XXIII


Aproximando-se o dia da canonização do beato João XXIII, senti o desejo de enviar esta saudação ao vosso bispo Francesco, aos sacerdotes, aos religiosos e às religiosas, aos fiéis leigos da diocese de Bérgamo, mas também àqueles que não pertencem à Igreja e a toda a comunidade civil de Bérgamo.
Sei quão bem vocês querem ao Papa João e quanto ele queria bem à sua terra. Do dia da sua eleição ao Pontificado, o nome de Bérgamo e de Sotto Il Monte se tornaram familiares em todo o mundo e ainda hoje, a mais de cinquenta anos de distância, esses ficaram associados à sua face sorridente e à sua ternura de pai.
Convido-vos a agradecerem ao Senhor pelo grande dom que a sua santidade foi para a Igreja universal, e vos encorajo a proteger a memória do terreno no qual essa foi germinada: um terreno feito de profunda fé vivida no cotidiano, de famílias pobres, mas unidas pelo amor do Senhor, de comunidades capazes de partilha na simplicidade.
Certo, desde então o mundo mudou, e novos são também os desafios para a missão da comunidade cristã. Todavia, aquela herança pode inspirar ainda hoje uma Igreja chamada a viver a doce e confortante alegria de evangelizar, a ser companhia no caminho de cada homem, “fonte da vila” da qual todos possam aproveitar a água fresca do Evangelho. A renovação desejada pelo Concílio Ecumênico Vaticano II abriu o caminho, e é uma alegria especial que a canonização do Papa Roncalli aconteça juntamente àquela do beato João Paulo II, que levou tal renovação adiante em seu longo pontificado.
Estou certo de que também a sociedade civil poderá sempre encontrar inspiração da vida do Papa de Bérgamo e do ambiente que o gerou, procurando modalidades novas e adaptadas aos tempos para edificar uma convivência baseada nos valores perenes da fraternidade e da solidariedade.
Queridos irmãos e irmãs, confio esta minha mensagem ao “Eco di Bergamo”, do qual o jovem sacerdote Angelo Roncalli foi apreciado colaborador. Quando depois o ministério o levou para longe, ele recebeu sempre das páginas do “Eco” a voz e a recordação da sua terra. Peço-vos para rezarem por mim, enquanto asseguro a minha recordação e a oração por todos vocês, em particular pelos sofredores, pelos doentes – recordando o hospital da cidade que vocês quiseram dedicar ao Papa João – e pelo seminário diocesano, tão querido ao seu coração. A todos envio, na iminência das festas pascais, a Benção Apostólica.