sábado, 16 de agosto de 2014

Paróquia de Almino Afonso divulga programação da festa do padroeiro 2014





112ª Festa do Sagrado Coração de Jesus
Almino Afonso – RN  
Tema: “No coração de Jesus, contemplamos o rosto humano de Deus”


07/09 – Domingo 
19:00hs - Missa de encerramento das peregrinações
Local: Igreja Matriz





ABERTURA DO NOVENÁRIO

 Programação:

Dia 11/09 – Quinta Feira
18h – Hasteamento das bandeiras
19h – Missa Solene de abertura.
Celebrante: Bispo Dom Mariano


Dia 12/09 – Sexta Feira
08h – Missa das Crianças
15h – Confissões
18:30 – Terço da Misericórdia
19h – Novena
Celebrante: Pe. Sergio

Dia 13/09 – Sábado
06h – Oficio
07h – Programa Caminhos da Fé ( entrevista com o Pe.)
18:30h – Terço Mariano
19h – Novena
Celebrante:  Padre Nunes

Dia 14/09 – Domingo
09h – 3ª Cavalgada em honra ao Sagrado Coração de Jesus
18:30h – Terço da Divina Providência
19h – Missa dominical e Novena
Celebrante: Padre George

Dia 15/09 – Segunda feira
06h – Oração da manhã
18:30 – Terço da Misericórdia
19h – Novena
Celebrante: Padre Possódio

Dia 16/09 – Terça Feira
08h – Missa dos enfermos
18:30 – Terço Mariano
19h – Novena
Celebrante: Frei Edson
  
 Dia 17/09 – Quarta Feira
06h – Oração da Manhã
18:30h – Terço da Misericórdia
19h – Novena
Celebrante: Padre George

Dia 18/09 – Quinta Feira
06h – Oração da Manhã
16h – Visita a Delegacia de Policia
18:30h – Terço Mariano
19h - Missa com Oração de Cura e Libertação
Celebrante: Padre Marcio

Dia 19/09 – Sexta Feira
06h – Oração da Manhã
16h – Visita ao Hospital
18:30h – Terço Mariano
19h – Novena
Celebrante: Padre Américo

Dia 20/09 – Sábado
06h – Oração da Manhã
18:30 – Terço Mariano
19h – Novena
Celebrante: Padre George

SOLENIDADE
Dia 21/09 – Domingo
06h – Ofício do sagrado Coração de Jesus
07h – Café partilhado
10h – Batizados
17h – Missa Solene
18h – Procissão
19h – Descerramento das Bandeiras
Celebrante: Padre George

Transmissão todas as noites pela Web Rádio e Tv Boa Semente

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Adote um cristão de Mossul: Saiba como ajudar nesta campanha

A trágica situação vivida pelos cristãos no Iraque e os contínuos apelos em seu favor por parte do Papa Francisco motivaram a Agência Asianews, ligada ao Pontifício Instituto das Missões (PIME), a lançar a campanha “Adote um cristão de Mossul”. Os recursos recolhidos serão enviados ao Patriarcado de Bagdá, que fará a distribuição segundo as necessidades das famílias.
O texto da campanha lançada no site explica que são necessários cinco euros por dia para manter uma pessoa no Iraque.


“Os leitores e amigos da Asianews são convidados a contribuir”, indo “além da simples indignação e condenação”, expressando desta forma concreta, “a solidariedade e o apoio aos cristãos iraquianos”.
Para o Patriarca dos Caldeus, Dom Louis Raphael Sako, “ajudar os cristãos nesta emergência, mantendo-os no Iraque, é mais importante do que fazê-lo fugir para o exterior. O Iraque e o Oriente Médio necessitam do testemunho dos cristãos”, reitera.
Dom Sako definiu a fuga dos cristãos de Mossul e Qaraqosh, na Planície de Nínive, no Iraque, como uma “catástrofe humanitária, que corre o risco de se tornar um verdadeiro genocídio”.
De fato, mais de 100 mil pessoas foram obrigadas pelos jihadistas do Estado Islâmico a abandonar as próprias casas e bens, e fugir rumo ao Curdistão. “Um êxodo, uma verdadeira Via Crucis, com os cristãos sendo obrigados a caminhar no tórrido verão iraquiano… entre eles, doentes, idosos, crianças, mulheres grávidas, com necessidade de comida, água e assistência…”, disse Dom Sako.
As milhares de famílias cristãs foram obrigadas a fugir, ameaçadas de morte pelos jihadistas caso não se convertessem ao Islã ou se recusassem a pagar a ‘jiziya’, a taxa imposta pela Sharia’ aos “infiéis”. Na fuga, foram obrigados a abandonar tudo.
Diante desta tragédia, o Papa Francisco continua a enviar mensagens de solidariedade e apelos à comunidade internacional, para que atue no sentido de deter as violências e os abusos contra as minorias locais.

Há várias possibilidades de colaborar com essa campanha, todas em nome da “AsiaNews – Adotta um cristiano di Mosul”:


- Via Caixa Postal n. 45443009
direcionado ao “Pontificio Istituto Missioni Estere” (Pontifício Instituto das Missões Estrangeiras), referente a “AsiaNews – Adotta um cristiano di Mosul”
- Via Depósito Bancário à AsiaNews – C/C 6152510434/77
Presso Banca Intesa – Filiale 499 Via G. Carini 32/D – 00152 Roma RM
Coord Bancarie: Z 03069 05078 615251043477
Coord. Iban: IT35 Z030 6905 0786 1525 1043 477
Swift Code: BCI TIT MM
Referente a “AsiaNews – Adotta um cristiano di Mosul”
- Via cheque nominal, endereçado a:
AsiaNews c/o PIME
Via Guerrazzi 11
00152 Roma RM
Italia

Fonte: cancaonova.com

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Igreja Matriz em Almino Afonso passa por reformas

Deu início hoje, 11 a reforma da Igreja Matriz do Sagrado Coração de Jesus em Almino Afonso, a principio a reforma inclui pequenos retoques no reboco e pintura da parte externa, a igreja mãe já está sendo preparada para as festividades alusivas ao Sagrado Coração de Jesus que é comemorado todos os anos de 11 a 21 de setembro, veja algumas imagens.






Fotos: Kleiton Martins

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Vaticano pede mais moderação no sinal da paz na missa

A Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, em uma recente carta circular, anunciou que a localização do sinal da paz dentro da missa não mudará, mas sugeriu várias formas nas quais o rito poderia ser realizado com maior dignidade.
Em um comunicado difundido em 28 de julho, o secretário geral da Conferência Episcopal Espanhola, Pe. José María Gil Tamayo, indicou aos bispos locais que “a Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos se pronunciou a favor de manter o ‘rito’ e o ‘sinal’ da paz no lugar onde se encontra hoje no Ordinário da Missa”.

O Pe. Gil Tamayo anotou que isso foi feito porque o rito da paz é “característico do rito romano” e “por não crer que seja conveniente para os fiéis introduzir mudanças estruturais na Celebração Eucarística, no momento”.

O sinal da paz é realizado depois da consagração e justo antes da recepção da Comunhão. Foi sugerido que mudasse para antes da apresentação dos dons.

O comunicado do Pe. Gil Tamayo foi enviado aos bispos espanhóis, e serve de prefácio à carta circular da Congregação para o Culto Divino, que foi assinada em 8 de junho deste ano pelo Cardeal Antonio Cañizares Llovera, seu prefeito, e seu secretário, Dom Arthur Roche.

A carta circular tinha sido aprovada e confirmada no dia anterior pelo Papa Francisco.

A carta fez quatro sugestões concretas sobre como a dignidade do sinal da paz deve ser mantida contra os abusos.

O Pe. Gil Tamayo explicou que a carta circular é um fruto do sínodo dos Bispos sobre a Eucaristia, em 2005, no qual se discutiu a possibilidade de mover o rito.

“Durante o Sínodo dos bispos se viu a conveniência de moderar este gesto, que pode adquirir expressões exageradas, provocando certa confusão na assembleia precisamente antes da Comunhão”, escreveu Bento XVI em sua exortação apostólica pós-sinodal “Sacramentum caritatis”.

Bento XVI acrescentou que “pedi aos dicastérios competentes que estudem a possibilidade de mover o sinal da paz a outro lugar, tal como antes da apresentação dos dons no altar… levando em consideração os antigos e veneráveis costumes e os desejos expressos pelos Padres Sinodais”.

Uma inspiração para a mudança sugerida foi a exortação de Cristo em Mateus 5,23, que “se lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa lá a tua oferta diante do altar e vai primeiro reconciliar-te com teu irmão”. Também teria levado o rito à conformidade, nesse aspecto, com o rito ambrosiano, celebrado em Milão (Itália).

O Caminho Neocatecumenal, um movimento leigo na Igreja, já moveu o sinal da paz em suas celebrações do rito romano, para antes da apresentação dos dons.

A decisão da congregação vaticana de manter o lugar do sinal da paz foi o fruto do diálogo com os bispos do mundo, que começou em 2008, e em consulta tanto com Bento XVI como com o Papa Francisco.

A Congregação para o Culto Divino disse que “oferecem-se algumas disposições práticas para expressar melhor o conteúdo do sinal da paz e para moderar os excessos, que suscitam confusão nas assembleias litúrgica antes da Comunhão”.

“Se os fiéis não compreendem e não demonstram viver, em seus gestos rituais, o significado correto do rito da paz, debilita-se o conceito cristão da paz e se vê afetada negativamente sua própria frutuosa participação na Eucaristia”.

Sobre esta base, a congregação ofereceu quatro sugestões que procuram formar o “núcleo” de catequese sobre o sinal da paz.

Primeiro, enquanto confirma a importância do rito, enfatiza que é “totalmente legítimo afirmar que não é necessário convidar ‘mecanicamente’ para se dar a paz”.

O rito é opcional, recordou a congregação, e certamente há vezes e lugares em que não encaixa.

Sua segunda recomendação foi que como as traduções são feitas da típica terceira edição do Missal Romano, as Conferências dos Bispos devem considerar “se é oportuno mudar o modo de se dar a paz estabelecido em seu momento”. Sugeriu em particular que “os gestos familiares e profanos de saudação” devem ser substituídos com “outros gestos, mais apropriados”.

A Congregação para o Culto Divino também assinalou que há muitos abusos do rito, que devem ser detidos: a introdução de um “canto para a paz”, que não existe no rito romano; Os deslocamentos dos fiéis para trocar a paz; Que o sacerdote abandone o altar para dar a paz a alguns fiéis; e quando, em algumas circunstâncias tais como matrimônios ou funerais, torna-se uma ocasião para felicitações ou condolências.

A exortação final da congregação vaticana foi que as conferências episcopais preparem catequeses litúrgicas sobre o significado do rito da paz e sua correta observação.

“A íntima relação entre lex orandi (lei da oração) e lex credendi (lei da fé) deve obviamente estender-se a lex vivendi (lei da vida)”, concluiu a carta da congregação.

“Conseguir hoje um compromisso sério dos católicos frente à construção de um mundo mais justo e pacífico implica uma compreensão mais profunda do significado cristão da paz e de sua expressão na celebração litúrgica”.